AS TRÊS OPORTUNIDADES PERDIDAS…e talvez mais

AS TRÊS OPORTUNIDADES PERDIDAS…e talvez mais

Foram muitas as décadas perdidas, e não vou aqui falar sobre elas.  A última delas, que encerrou com os governos de FHC, parecia que ia por fim à sina. Mas o que vimos foi um novo desastre, que talvez se tranforme em duas décadas perdidas – seguidas, de uma só vez – patrocinada por este governo populista, irresponsável e corrupto que se instalou no poder com o firme propósito de desmontar o país e depois dominá-lo.

O pior do desgovernos lulla e dillma foi a perda da primeira oportunidade: com um governo novo e com amplo apoio popular, desmontar a política brasileira do compadrio e conchavo, com uma política moderna, criando assim as bases para uma ampla reforma estrutural do país. E era isso que eles prometiam em campanha. Nada se fez, não se aproveitou este capital político. E mais, sofisticou-se e até intenacionalizou-se a corrupção do Brasil.

Sem reformas, os governos lulla colheram os frutos econômicos do governo anterior e quando eles começaram a diminuir, caminharam pela trilha irresponsavel da ampliação do consumo através do crédito e que levou o pais e as famílias à situação dramática em que estão agora. Baixa produtividade industrial, desemprego em massa, déficits nas contas públicas, falências generalizadas, incumprimento de pagamentos pelo governo a fornecedores e trabalhadores.

E não só… Uma sociedade que voltou a desacreditar no país, espantada com a corrupção instalada dentro do governo e nas empresas privadas que se agarraram a ele. E que está paralisada e com medo de sair à rua.

A segunda oportunidade que vai se esgotando aos poucos, o período positivo do nosso momento demográfico, muito importante no crescimento e desenvolvimento de um pais. Estas novas décadas perdidas ocorreram num momento que éramos para crescer muito. O que colhemos foram taxas de crescimento pífias ou negativas. Quanto mais o tempo passar, menos frutos colheremos da demografia. Depois, é só conversar com os europeus e ver o que isto significa.

A terceira oportunidade perdida é fruto destes desmandos. Cada vez mais, pessoas preparadas, às vezes capitalizadas, saem do pais para fazer carreira e investir fora. Mesmo com o mundo em crise, vão em busca de segurança fisica e institucional. E o mundo inteiro, com excesso de liquidez e baixo rendimento destes ativos, ansiavam por investir no Brasil. Uma economia grande, com 200 milhões de habitantes, que vinha domando o seu pior inimigo – a inflação -, e que poderia receber grande parte destes recursos abundantes. Andam frustrados e descrentes a espera de um milagre.

A quarta oportunidade perdida – mas não eram só três ? – será o desatrelamento das grandes transformações que estão ocorrendo na indústria por todo mundo. Pois é, vamos sempre andar devagar, às vezes na direção errada ou até na contramão. Primeiro vamos ter que consertar o estrago que esta aventura bolivariana fez, para depois recomeçar.

Só espero é que não venha mais uma década perdida a se somar às duas que já referi… Há eleições à vista.

RL

Penedo, 19fev17

 

Graduado e Pós-Graduado pela Fundação Getúlio Vargas em São Paulo, é especialista em Marketing, Estratégia, Modelagem e Estruturação de Negócios, no Brasil e em Portugal, através da B4-Business Solution. Foi professor de Estratégia e Marketing da Universidade de Pernambuco. Luso-brasileiro, vive em Portugal desde 1996. De lá para cá, percorreu cada canto do país, conhecendo e vivenciando tudo aquilo que Portugal oferece de melhor. É apaixonado por este país de uma dimensão cultural muito maior que o seu tamanho geográfico e populacional. É co-fundador e gestor do PortugalSim.

One thought on “AS TRÊS OPORTUNIDADES PERDIDAS…e talvez mais

  1. Concordo, Renato. Parabéns pelo texto. Lúcido, inteligente, sábio.
    Quem sabe isto não acontece? Quem sabe não vamos perder mais uma década?… Vamos apostar no melhor. Parabéns!!!
    Lucia Azevedo Ramos

Deixar uma resposta