Observem como vocês se comportam numa troca de ideias.

Observem como vocês se comportam numa troca de ideias.

Há algum que venho percebendo, em inúmeras conversas com pessoas que, a maioria delas não escuta com atenção o que o outro diz.

E o que é escutar com atenção? É procurar entender cada palavra no seu contexto; é ler os movimentos corporais da pessoa, dos olhos, mãos e  sua postura; é se colocar no lugar do outro e tentar ver o objeto da conversa pelos olhos, experiência de vida e mentes dela. Há uma frase que gosto, que li não sei onde, que “temos que calçar os chinelos do outro e andar um pouco para compreender o que ele quer nos dizer”. Devemos escutar por inteiro, tentar entender, perguntar se houver dúvidas, e só então expormos o nosso ponto de vista. Vejam que não mencionei concordar.

A maioria das pessoas não escuta e apenas se prepara para o contra ataque quando a outra pessoa parar de falar. Constrói sua estratégia, como se tivesse num campo de guerra e que tivesse que ganhar sempre a discussão. E isto, para mim, mas se parece com litigância em tribunal. Estas pessoas não percebem que, se não tiver razão, o outro está dando a oportunidade de consertarem os seus erros. Perde-se a discussão, mas ganha-se na vida prática e na sabedoria.

Qual não foi a minha surpresa, quando percebi em mim, em algumas conversas, esta forma alienada de se comportar. E como percebi: prestando atenção, sucessivamente, na minha forma de estar em conversas mais polêmicas. Nos observarmos, é uma forma de crescimento. E no meu caso, não deu outra.

Confesso que a pratica diária de meditação – tendo como objeto o firme propósito de manter a mente focada no aqui e agora – deu mais clareza e visão à minha mente que logo percebeu os deslizes. E tem me ajudado – as recaídas têm diminuído – a mudar esta forma de estar numa conversa.

Façam o teste. Observem como vocês se comportam numa troca de ideias. E tirem as vossas conclusões.

Posso dar um palpite? A grande maioria vai se enquadrar entre aqueles que não sabem escutar.

 

Penedo, 31dez16

Graduado e Pós-Graduado pela Fundação Getúlio Vargas em São Paulo, é especialista em Marketing, Estratégia, Modelagem e Estruturação de Negócios, no Brasil e em Portugal, através da B4-Business Solution. Foi professor de Estratégia e Marketing da Universidade de Pernambuco. Luso-brasileiro, vive em Portugal desde 1996. De lá para cá, percorreu cada canto do país, conhecendo e vivenciando tudo aquilo que Portugal oferece de melhor. É apaixonado por este país de uma dimensão cultural muito maior que o seu tamanho geográfico e populacional. É co-fundador e gestor do PortugalSim.

2 thoughts on “Observem como vocês se comportam numa troca de ideias.

  1. Adorei o texto, Renato. Sensibilidade e lucidez. Reflexões que levam, invariavelmente, ao crescimento psicológico e afetivo dos dois lados. Ouvir, saber escutar as pessoas, ver o outro com o mínimo desejável de sensibilidade e de interesse no seu problema ou nas suas posições ideológicas, se colocar no lugar dele, é “manter a mente focada no aqui e no agora”.
    Naquele momento, o aqui e o agora, é que é o mais relevante. Primordial. Esta é a chave que vai acionar o mecanismo para se saber escutar e ter o importante olho no olho…Acho que a empatia também é primordial e relevante. Sempre.
    Como resultado, a troca. O aprendizado. O crescimento. Os afetos. Sempre.
    Parabéns pelas reflexões. Excelentes.
    Mensagem que fica: vou prestar mais atenção nas minhas conversas. Escutar mais e falar menos. Sabedoria.
    Beijos

Deixar uma resposta