Repensar o País: Estratégia, princípios e métodos (1º Trabalho de “Hércules”)

Os 12 trabalhos de Hércules

Os doze trabalhos de Hércules que utilizei como figura de linguagem para carcterizar a missão de Michel Temer, começa pelo re-posicionamento estratégico do Brasil. E o que quer dizer isto? Precisamos responder às cinco questões que seguem abaixo para que o país encontre e tome o seu rumo repeitando os seus princípios. Bem simples. Parece, mas não é.

Antes, quero dizer que o Governo Temer começa com a necessidade de tomar um conjunto claro de medidas clássicas de economia, para evitar o pior: um desenquadramento fiscal crônico, com consequências no descontrole da inflação, produduzindo uma estagnação econômica por um longo período e a aceleração do desemprego, quadro que levaria o País a incapacidade de honrar os seus compromissos e aos caos social. A situação obriga a decisões duras e rápidas, apesar das dores que vão causar. Seguem abaixo as tais perguntas:

  1. O que queremos “ser quando crescermos” em termos econômicos?
    1. Um livre do governo nas atividades produtivas e de grande parte dos serviços que hoje presta. A ele caberá garantir à população e ao país a Segurança, Saúde, Educação a Previdência e ações regulatórias;
    2. Um país industrial e de serviços, reduzindo a participação das commodities com baixo valor agregado, com tendências declinantes em geração de emprego e muito dependentes de conjunturas internacionais, deixando de ser importador de bens com valor agregado elevado, deixando de transferir ao exterior o maior potencial de lucro da atividade econômica. Desta forma, estaremos  gerando empregos qualificados no Brasil e não no exterior;
    3. Um país aberto e ativo no comércio internacional com participação equivalente à sua força econômica;
    4. Um Governo eficiente e controlado na gestão da coisa pública, defendendo a sua moeda e o seu desepenho fiscal a todo custo.
  2. Quais os princípios e valores que queremos que norteiem as nossas ações?
    1. Empreendorismo em todas as frentes e tamanho de negócios;
    2. Livre mercado e concorrência interna e internacional;
    3. Alinhamento internacional com países assemelhados;
    4. Proteção ao nosso meio ambiente e valorização da nossa cultura, bandeira e língua;
    5. Uma constante preocupação com a distribuição da riqueza nacional;
    6. O crime de qualquer natureza deverá ser punido com pena que desestimule a criminalidade, não existindo nenhum foro privilegiado.
  3. Quais os recursos que dispomos?
    1. Área geográfica, recursos minerais e naturais e uma base demográfica ainda positiva, apesar de já estarmos nos aproximando do final do período de expansão;
    2. Um parque industrial em grande parte atrasado que terá que ser reciclado;
    3. E um agronegócio ativo, dinâmico e produtivo.
  4. Quais os recursos que vamos ter que construir?
    1. Estrutura de saúde e saneamento básico para o bem estar da população;
    2. Educação fundamental e técnica (revisão curricular e de métodos de ensino), com fortes ligações internacionais. Nosso jovem precisa perceber como o mundo anda à frente de nós;
    3. Pesquisa e desenvolvimento, com conexões internacionais, e com a ligação permanente entre Universidade e Empresa;
    4. Infraestrutura digital, logística e de energia;
    5. Uma justiça rápida e independente em todas as áreas;
    6. Uma nova imagem do país, diferente da que o PT passou;
    7. Agilização das atividades empresariais pela simplificação tributária e eficiência da gestão pública, bem mais compacta.
  5. Qual os recursos que teremos que buscar no exterior?
    1. Tecnologia e apoio técnico;
    2. Capital para os investimentos de infraestrutura e empresariais;
    3. Financiamentos diversos;
    4. E exemplos do que fazer e do que não fazer….

O Brasil tem pressa e precisa de um Norte orientativo.

As respostas a estas 5 perguntas apontam para lá…E os próximos 11 artigos aprofundarão um pouco mais a maior parte delas.

IMG_20160423_173031698_HDR

RL

Cascais, 17 de Maio de 2016

PS: Em cada um dos trabalhos de Michel Temer apontados aqui há apenas insights que não aspiram ser nada mais do que uma visão global e integrada de um conjunto prático de soluções para o país, não esgotando em si as diversas outras sugestões que poderão ser incorporadas.

Graduado e Pós-Graduado pela Fundação Getúlio Vargas em São Paulo, é especialista em Marketing, Estratégia, Modelagem e Estruturação de Negócios, no Brasil e em Portugal, através da B4-Business Solution. Foi professor de Estratégia e Marketing da Universidade de Pernambuco. Luso-brasileiro, vive em Portugal desde 1996. De lá para cá, percorreu cada canto do país, conhecendo e vivenciando tudo aquilo que Portugal oferece de melhor. É apaixonado por este país de uma dimensão cultural muito maior que o seu tamanho geográfico e populacional. É co-fundador e gestor do PortugalSim.

Deixar uma resposta