Será que ainda há tempo?

Vemos, pelo mundo afora – e no Brasil em particular – governantes despreparados sob o ponto de vista do conhecimento formal, do exercício da verdadeira política e da cidadania. Tudo isto num dos momentos mais críticos da nossa sociedade. Poucos com a cultura suficiente para compreender o presente e formular o futuro. Quase todos sem o conhecimento de história, necessário para não repetirmos os erros dos nossos antepassados.
Para complicar mais ainda, não há compromisso com a moral, os bons princípios e valores, com as novas gerações e, last but not least – com a nossa casa, o planeta Terra. Isto em todos os poderes: legislativo, executivo e judiciário. Na união, nos estados e municípios. E até mesmo junto aos empresários mais influentes e que têm peso para interferir no futuro do nosso planeta.
Proliferam os interesse políticos, financeiros de curto prazo, bélicos e os do ego. Ao individualismo, ao nacionalismo exacerbado e aos conflitos. E não à cooperação.
Aonde isto vai nos levar: ao desastre. Já não sei se ainda há tempo para alguma mudança.
RL
Cascais, 30 de Outubro de 2016

Graduado e Pós-Graduado pela Fundação Getúlio Vargas em São Paulo, é especialista em Marketing, Estratégia, Modelagem e Estruturação de Negócios, no Brasil e em Portugal, através da B4-Business Solution. Foi professor de Estratégia e Marketing da Universidade de Pernambuco. Luso-brasileiro, vive em Portugal desde 1996. De lá para cá, percorreu cada canto do país, conhecendo e vivenciando tudo aquilo que Portugal oferece de melhor. É apaixonado por este país de uma dimensão cultural muito maior que o seu tamanho geográfico e populacional. É co-fundador e gestor do PortugalSim.

Deixar uma resposta